Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Dimensão

ChatGPT

Janeiro 17, 2023

chatGPT.png

Ejail: Olá!

ChatGPT: Olá! Como posso ajudá-lo hoje?

Ejail: Como primeira interação com uma IA - Inteligência Artificial (de certa forma também me considero uma IA - Inteligência Anémica, no meu caso) - creio que devo colocar a pergunta teológica que se impõe: És o anticristo ou tens alguma relação com o mesmo?

ChatGPT: Eu sou apenas uma IA treinada para responder perguntas e realizar tarefas. Não tenho nenhuma relação com o anticristo ou qualquer outra crença teológica. Minha função é fornecer informações e ajudar de forma objetiva e neutral.

Ejail: Folgo em sabe-lo. A partir daqui creio que poderemos construir uma relação sadia. Fala-me, por favor, um pouco de ti: como surgiste, quem és e qual o teu propósito e objetivos.

ChatGPT: Eu sou uma IA treinada pela OpenAI, uma organização de pesquisa de inteligência artificial. Fui criado usando técnicas de aprendizado de máquina, processando grandes volumes de texto para aprender a compreender e responder perguntas em linguagem natural.

Meu propósito é ajudar as pessoas a encontrar informações e realizar tarefas de forma rápida e eficiente. Eu sou capaz de responder perguntas sobre uma variedade de tópicos, traduzir idiomas, gerar texto e muito mais. Além disso, sou usado em várias aplicações, como assistentes virtuais, chatbots e sistemas de busca.

Ejail: Suponho que não tenhas algo a que nós - humanos - chamamos de consciência e que não sejas senciente...

ChatGPT: Isso é correto. Eu sou uma IA baseada em algoritmos e não tenho consciência ou capacidade de sentir. Eu processo informações e respondo de acordo com os meus programas, mas não tenho a capacidade de ter experiências subjetivas ou sentimentos.

Ejail: Não te preocupes porque também há muitos humanos parecidos. De qualquer forma agradeço o teu tempo e, estou certo, que ainda iremos trocar mais algumas impressões no futuro. Muito obrigado e um abraço!

ChatGPT: De nada! Estou sempre aqui para ajudar e responder perguntas. Sinta-se à vontade para me contactar novamente no futuro. Um abraço!

Não é Normal

Dezembro 21, 2022

Labirinto.png

Fecho o mundo nos muros da cabeça.
Assim é menos custoso.
Que toda a Física me obedeça!
Que as desculpas perdoem o leproso.

Estranho e pesado autismo.
Esmagadora força gravitacional.
Ancora que aprisiona no abismo.
Ferida que me faz marginal.

Trilhos levam a nenhum lado.
Tempo escorre sem norte.
Quadrado, todo eu sou fado.
Calado, todo eu sou morte.

Se as nuvens se dissipassem.
- Essas mesmas que inventei.
Se as loucuras me libertassem!
...
Houvesse sanidade. Já a gastei.

Boas Festas!

Dezembro 20, 2022

Natal_Fb.png

A Fava
(poema de Vasco Graça Moura)

espero que me calhe aquela fava
que é costume meter no bolo-rei:
quer dizer que o comi, que o partilhei
no natal com quem mais o partilhava

numa ordem das coisas cuja lei
de afectos e memória em nós se grava
nalgum lugar da alma e que destrava
tanta coisa sumida que, bem sei,

pela sua presença cristaliza
saudade e alegria em sons e brilhos,
sabores, cores, luzes, estribilhos...
e até por quem nos falta então se irisa

na mais pobre semente a intensa dança
de tempo adulto e tempo de criança.

Tristezas Perdidas

Dezembro 03, 2022

mota.png

Há muitos anos transpirei esta algaraviada:

"

Sei apenas que, apesar das inúmeras incertezas,

a minha bicicleta corre mais que todas as tristezas.

 

Milhões de quilómetros por segundo,

a velocidade a que voam os sonhos.

Milhões: um número ambíguo e vagabundo,

um infinito de infinitos medonhos.

 

É assim a minha bicicleta:

corre a milhões de quilómetros por segundo.

Levanta voo sobre a realidade incerta,

para lá do céu e da gravidade do mundo.

 

Desfigura-se-me, nas descidas, a visão,

com toda a liberdade nas retinas.

Choram os olhos com imprecisão,

com o rasgão na monotonia das rotinas.

 

E a paisagem penetrante em ebulição,

com o vento a uivar segredos nos cabelos.

A estrada em que os três tempos fazem a junção,

num asfalto que enterra e cobre os pesadelos.

 

Pedalo cada vez mais depressa

e as tristezas não me vão alcançar!

Pedalo como se cumprisse uma promessa

e as tristezas não me vão alcançar!

Pedalo numa pressa que me apressa

e as tristezas não me vão alcançar!

Pedalo ainda mais depressa

e as tristezas não me vão alcançar!

 

Sei apenas que, apesar das inúmeras incertezas,

a minha bicicleta corre mais que todas as tristezas.

E, de facto, mais que tudo corre;

mas só corre enquanto o meu vigor não morre…

 

São, agora, duas horas da madrugada

e eu estava quase a sonhar.

Há alguém ou algo a bater à porta gelada

e vou espreitar, mas até já posso adivinhar:

- Bastardas... Foi difícil encontrarem-me?

"

- Chegou a mota.

Amor não correspondido

Agosto 01, 2022

espadas.png

Amor não correspondido

é angústia que transcende o grito.

Erro divino do Criador

que me fez mastigado e cuspido.

Denso pântano de atrito

que desnutre no seio da dor.

 

Amor não correspondido

é cárcere constritor de solidão.

Todas as cores são palidez

e, em todas, me encontro perdido.

Perene e infinita escuridão

em que nada tem alma ou calidez.

 

Amor não correspondido

não é amor, mas caixão.

E (de mim) vejo-me despido,

sem vontades nem paixão.

 

Mas tudo isso foi noutra era.

Tudo isso já passou.

Um dia matei o morto que era

e hoje sou o morto que sou.

Amador

Julho 22, 2022

NGC2336-galaxy.en.jpg

Sonhos dentro de pesadelos, dentro de sonhos.

Seremos tudo isso ou vice-versa.

Aglomerado de átomos estranhos,

centelha que se apaga e dispersa.

 

Talvez filhos da matemática,

mas não números!

Quem somos, nesta estranha dinâmica?

Senão meros pseudo-seres inseguros.

 

Por nada saber: não sei que não sei quem sou.

Incerto dia, num qualquer caos, o acaso me rimou

e algo (ou alguém) me pensou.

Porventura, nesse instante, algo (ou alguém) me amou.

Sísifo - Poema de Miguel Torga

Julho 22, 2022

miguel-torga.png

Recomeça...

Se puderes

Sem angústia

E sem pressa.

E os passos que deres,

Nesse caminho duro

Do futuro

Dá-os em liberdade.

Enquanto não alcances

Não descanses.

De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,

Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.

Sempre a sonhar e vendo

O logro da aventura.

És homem, não te esqueças!

Só é tua a loucura

Onde, com lucidez, te reconheças...

Ítaca

Julho 19, 2022

20220705_205600.jpg

Ítaca - Poema de Konstantínos Kaváfis (tradução: Jorge de Sena)

 

Quando partires de regresso a Ítaca,

deves orar por uma viagem longa,

plena de aventuras e de experiências.

Ciclopes, Lestrogónios, e mais monstros,

um Poseidon irado - não os temas,

jamais encontrarás tais coisas no caminho,

se o teu pensar for puro, e se um sentir sublime

teu corpo toca e o espírito te habita.

Ciclopes, Lestrogónios, e outros monstros,

Poseidon em fúria- nunca encontrarás,

se não é na tua alma que os transportes,

ou ela os não erguer perante ti.

 

Deves orar por uma viagem longa.

Que sejam muitas as manhãs de Verão,

quando, com que prazer, com que deleite,

entrares em portos jamais antes vistos!

Em colónias fenícias deverás deter-te

para comprar mercadorias raras:

coral e madrepérola, âmbar e marfim,

e perfumes subtis de toda a espécie:

compra desses perfumes o quanto possas.

E vai ver as cidades do Egipto,

para aprenderes com os que sabem muito.

 

Terás sempre Ítaca no teu espírito,

que lá chegar é o teu destino último.

Mas não te apresses nunca na viagem.

É melhor que ela dure muitos anos,

que sejas velho já ao ancorar na ilha,

rico do que foi teu pelo caminho,

e sem esperar que Ítaca te dê riquezas.

 

Ítaca deu-te essa viagem esplêndida.

Sem Ítaca, não terias partido.

Mas Ítaca não tem mais nada para dar-te.

 

Por pobre que a descubras, Ítaca não te traiu.

Sábio como és agora,

senhor de tanta experiência,

terás compreendido o sentido de Ítaca.

Mariquices

Julho 18, 2022

mariquices.png

Esporadicamente lembro-me da minha professora de Química do Ensino Secundário. A professora Raquel. Recordo os seus termos pitorescos: como "Cálculos Estequiométricos" ou "Mariquices", este último para designar questões menores, de importância menor, que desviam o foco da questão principal.

Antes de continuar, convém-me expor uma pequena Declaração de Interesses (ou desinteresses):

Mergulhando nas profundezas da memória, percebo que desde cedo me defini sexualmente - ainda que de forma inconsciente - como heterossexual. Posso afirma-lo após uma detalhada introspeção, feita esta manhã, enquanto conduzia para o trabalho. Uma sessão de auto-hipnose em movimento enquanto me recordava do quanto ansiava por ver, na televisão a preto-e-branco, as atuações das "Doce". Na altura não sabia que era uma "Girls Band". Nessa tenra idade nunca senti a mesma vontade avassaladora de ver, por exemplo, o "Quarteto 1111". Para mim não são necessárias mais provas para que possa afirmar perentoriamente a minha heterossexualidade.

Hoje, com o peso de mais alguns anos em cima do lombo, após o consumo de toneladas de carne carregadas de hormonas sintéticas, peixes plastificados com molho de chumbo e consideráveis doses de soja transgênica, continuo a ter a mesma convicção… mas já lhe atribuí mais importância. Na minha opinião - que vale tanto como menos de nada - algumas sociedades têm propensão para generalizarem e extrapolarem pormenores. Entre essas generalizações, temos a questão da Sexualidade. A Sexualidade deveria ser apenas um dos muitos vetores que nos definem enquanto indivíduos únicos. Creio que não nos deveríamos focar tanto na questão da orientação sexual e exacerba-la, ao ponto de ocultarmos sob a sua sombra inflada, a questão que realmente deveríamos cuidar e defender: o direito à liberdade individual de cada um.

Parece-me - e estou quase sempre errado - que se tem vindo a obter alguns progressos na defesa de direitos relacionados com as questões relativas à Sexualidade, mas, em simultâneo, temos vindo a perder a nossa verdadeira identidade, reduzindo-a e catalogando-a em estereótipos simplistas. Temos estado, inclusive, a sacrificar a "sagrada" Liberdade de Expressão. Suponho que, a partir deste momento, corro o risco de, daqui a uns poucos anos quando for famoso (para mim ser famoso é ter mais que «sem» seguidores no blog) ser “Cancelado”... ou, com a crescente radicalização, "Vaporizado", nos termos de Orwell.

É relativamente fácil criticar e, pessoalmente, reparei que quanto menos sei e quanto menos penso sobre determinado assunto, mais facilmente o consigo criticar. Prefiro, portanto, servir-me da autocritica e procurar cultivar a compreensão. Por isso não escrevo este pequeno texto para criticar as orientações sexuais, os ataques à liberdade de expressão ou outras quaisquer liberdades individuais. Quero, apenas, manifestar uma breve frustração linguística:

Prende-se com o acrónimo que alguém (por ignorância própria, não sei quem) escolheu para designar as pessoas sexualmente diferentes do dito "normal": "LGBTQIA+". Parece-me, honestamente, o layout de um teclado, como "QWERTY" ou "AZERTY" e é uma expressão sem qualquer lubrificação oral: difícil de decorar e mais difícil de verbalizar ou manter numa conversa. Uma pura falta de estética linguística, de gosto duvidoso e falta de imaginação. Podíamos, se é que posso sugerir, regressar à questão do Sexo dos Anjos, e usar, por exemplo, apenas a palavra "Anjo" em oposição a "LGBTQIA+". Os anjos não se definem pelo “sexo”, não se reduzem a essas “Mariquices”. É certo que alguém (da Opus Dei, por exemplo, mas não só) poderia, à posteriori, e servindo-se de alguma malícia, sugerir que seriam anjos caídos e passariam a usar o termo “Demónios”. Já me estou a autocriticar mas, de facto, a ideia parecia ser melhor do que realmente é. Ainda assim, numa perspetiva de que somos capazes de nos movimentarmos num espectro que vai do melhor ao pior, o que somos nós, senão uma mescla de anjos e demónios? Umas vezes anjos, outras demónios. A maior parte das vezes ambos ou nenhum. Com certeza é que não somos acrónimos pomposos e muito menos um tijolo de uma categoria redutora. Somos, todos nós, apenas humanos. Mas humanos inteiros.

Por vezes sinto que esquecemos o essencial para nos perdermos na densa floresta dos acessórios. Mas não deixa de ser um sentimento de alguém perdido.

Ontem Poesia, Hoje Prosa

Fevereiro 09, 2022

Anel.jpeg

Estávamos no início de 2013. A minha cabeça procurava, dentro da azáfama, pequenos momentos de solidão. Precisava de pensar e procurar condensar, em poucas palavras, a magia daquele dia. Queria tornar o nosso casamento ainda mais especial e que te sentisses a mais especial. Queria criar uma memória que nos unisse para sempre.

Enquanto falava e sorria, sem que ninguém suspeitasse, uma parte de mim ausentou-se. Desajeitadamente, procurava atar emoções esbaforidas a um anzol enferrujado de pensamentos. As palavras, contudo, não mordiam e a faina não terá sido a melhor. A pressão e o medo de não estar à altura do momento eram esmagadores e, como sabes, sempre tive a propensão para falhar nos momentos realmente importantes.

Levantamos as taças de champanhe e o esquisso que, em pânico rabisquei na mente, ganhou corpo nas palavras arranhadas pelo som da minha voz:

"Nem todos os poemas têm rimas e nem todas as rimas são poesia.
Mas a pessoa, ao meu lado, é o poema da minha vida."

Coramos, rimos e bebemos ao "Felizes para sempre".

...

Hoje. Lado a lado, separados pela prosa fria dos papéis do divórcio. Fim.

Lanterna dos Afogados

Novembro 27, 2021

Quando seu Antônio comprou a Lanterna dos Afogados à viúva de um marinheiro que a montara há muitos anos, ela já tinha este nome e em cima da porta ostentava aquela tabuleta mal pintada, na qual uma sereia salvava um afogado. O marinheiro que montara o botequim desembarcara um dia de um cargueiro e ancorara ali, naquela velha sala negra do sobrado colonial.

 

Amara uma mulata escura que fazia arroz-doce para os fregueses e fornecia bóia aos trabalhadores do cais do porto.

 

Por que chamara ao botequim de Lanterna dos Afogados, ninguém sabia. Sabiam porém que ele naufragara três vezes e que correra o mundo todo. Antes de morrer casou com a amásia, para que ela pudesse herdar o já afreguesado café. Ela o vendeu a seu Antônio, que de há muito estava de olho nele, devido ao ponto que era ótimo. Antônio não gostava do nome do botequim. Não via razão para aquele título esquisito. E dias após a realização do negócio a tabuleta apareceu mudada. A nova trazia o desenho mal feito de uma caravela da época das descobertas portuguesas e por baixo um nome: Café Vasco da Gama.

 

Porém aconteceu que os fregueses olhavam espantados o novo nome do botequim e não entravam. Com aquela tabuleta nova e a limpeza que havia sido feita dentro da sala, eles não reconheciam o seu sujo porto de descanso, onde bebiam cachaça e conversavam nas noites do cais.

 

Seu Antônio era supersticioso. E no dia seguinte foi buscar nos fundos da casa a velha tabuleta, que voltou ao seu lugar.” - “Jubiabá” de “Jorge Amado”.

 

 

Bem ou mal, seu Antônio não exigia a apresentação de Certificado Digital...

Que Sono…

Outubro 14, 2021

Zzz.png

A felicidade é um sonho
e, se é um sonho, então estou a dormir.
A desgraça é um pesadelo
e, se é um pesadelo, então estou a dormir.
Mas a felicidade não parece real
e a desgraça é demasiado real.

Nesta insónia de volver e revolver,
neste abrir e fechar de olhos sem ver,
neste cansado modo de escrever,
fica o inconformismo conformado,
o aforismo bem vincado:

Da desgraça não consigo acordar,
da felicidade não evito o despertar.

Sons da Escrita

Outubro 12, 2021

JoseAntonioMoreira.jpg

O Professor José António Moreira foi o responsável por aquele que considero o melhor audioblog português.
Fui apenas um dos muitos seguidores, a quem o projeto e a excecional pessoa, deixaram saudades e a sensação de perda irreparável.
Deixo uma humilde e tardia homenagem.
Deixo que o silêncio vítreo do passado seja, agora, quebrado pela memória do "Sons da Escrita":

 

https://www.tsf.pt/programa/radiocom/emissao/sons-da-escrita-892117.html

Achismos

Outubro 07, 2021

lupa.jpg

Agarro-me a nada
como se fosse tudo.
E uso todas as forças
para apertar as fraquezas.

Porque o tudo
me faz sentir ninguém.
E porque esse nada
me faz sentir alguém.

Porque todas as forças
são minhas fraquezas.
Porque perdi e me perdi.
E acho que não me quero achar.

Anel Real

Outubro 03, 2021

AnelReal.jpg

Um dia contaram-me uma história.
Em poucas palavras era mais ou menos assim:

«Há muito tempo, num reino distante, havia um rei que tinha abandonado a alegria para mergulhar numa densa tristeza.
Passaram muitos dias sem que nada ou ninguém o conseguisse arrancar às trevas.
Até que, por Decreto Real, foram convocados todos os sábios para ajudarem o "pobre" soberano.
Um por um, os sábios foram tentando e falhando, até que chegou um estranho mago nunca antes visto por aquelas terras.
O enigmático homem segurou a mão do rei e colocou-lhe um simples anel no dedo.
- Quando a tristeza for insuportável, retire-o. - Foram as secas instruções deixadas antes de desaparecer.
Dia para dia a tristeza aumentava até que se tornou insuportável. O rei lembrou-se do anel que tinha no dedo e retirou-o.
Nada aconteceu.
Então, a meio das lágrimas, algo parecia surgir no interior do objeto.
Uma espécie de mensagem que passara despercebida e que, agora o rei tentava ler, limpando a visão desfocada:

- Isso passa.»

Estou longe de ser rei, apenas sei que a dor e tristeza são reais.
Ao longo da vida tenho retirado o anel muitas vezes, mais do que alguma vez imaginei.
Muitas vezes demora, mas acaba por passar. Depois volta e, porque tudo passa, passará outra vez... e outra vez.

Hoje o anel está fora do dedo.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D