Sexta-feira, 31 de Agosto de 2012
democrAZIA

Apetece-me cometer uma ilegalidade, mas não sei qual.

 

Poderia escolher tantas, mas sempre fui um pouco indeciso. Talvez um crime imensamente perverso e intelectual, mas hoje estou elanguescente. Fazer um Voodoo: espetar umas agulhas num Action Man e depilar uma galinha preta, mas isso é mais liberdade religiosa do que crime. Assaltar um banco ou, um pouco menos ambicioso, uma senhora idosa. Sim, a senhora idosa! A, sempre simpática, fácil e “Abutre-Ready”, senhora idosa! Mas acho que não... Ia ter pena do humanoide e o apuro não seria substancial. Um crime gramatical? Sou demasiado macho para considerar, o golpe em questão, como um crime! Talvez burlar? Sim, burlar! Uma palavra tão pequena, suave e acolhedora. Vamos na onda do “bur” e quando dámos por nós já estamos a chegar ao doce “lar”. É isso! Burlar! Cá vai a burla:

 

Portugueses: apertem os cintos porque há esperança!

 


sinto-me: pt-PT
música: pimba!

publicado por ejail às 01:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 26 de Agosto de 2012
Cocó

Em jeito de balanço, já escrevi muitas merdas.

Acho que o blog merecia uma edição especial, publicada em papel higiénico...

 


sinto-me:
música: sons da natureza...
tags:

publicado por ejail às 02:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 8 de Maio de 2012
Poema Invisível

.


sinto-me:

publicado por ejail às 01:53
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 11 de Abril de 2012
Sombra Lunar

Parece-me, de noite, ver alguém na Lua,

solitário e prisioneiro do seu lado oculto.

Parece navegar as cinzas numa falua

e arrastar-se no sedimento como um vulto.

 

Existirão seres extra-terrestres,

ou será apenas a névoa do meu olhar cansado?

Talvez só chamando cientistas e mestres,

para vencer as crenças e os dogmas do passado.

 

O mais certo é eu estar aluado,

desgostoso pela gravidade do espaço.

Triste e despedaçado por não ser amado

e ansioso por me deitar num regaço.

 

Mas não!

Não estou louco nem estafado,

muito embora haja quem diz o contrário.

É que não é fácil ludibriar o fado:

lá em cima só eu e este pobre diário.


sinto-me: extraterreno
música: The Final Countdown

publicado por ejail às 01:34
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 9 de Janeiro de 2011
Bom Ano!

 

Após tanto tempo sem escrever, seria de supor que tenho algo relativamente interessante para dizer. Não poderia, esta ideia, estar mais desviada da verdade. Neste canto, dizer algo de jeito, é pura ficção.

 

Este blog está em total decadência. Vazio de conteúdos, vazio de ideias, sem rumo, desalmado. Com uma linha estratégica de marketing, superiormente elaborada, no sentido da desgraça e da auto e alta (ou baixa) destruição. Este conjunto desconexo de textos está, a muito e muito, a caminho da aniquilação: o Apocalipse da Quinta Dimensão. Mas, para que conste, não tenho, como é hábito, qualquer responsabilidade no caso. A culpa é das famosas e famigeradas redes sociais: do Facebook e do Twitter, que esmagam as minhas audiências. – pausa para rancor (mínimo de 20 seg). – Ainda dei alguma luta com as minhas (vossas) 6381 visitas mas, por muita qualidade que elas tenham, se as convertesse em assinaturas não chegavam para concorrer à presidência da república. Como se não bastasse, estou fora de moda: ando pouco na rede e nada social.

 

Não escrever durante muito tempo não me esclarece a mente e provoca-me dificuldades ao nível das, sempre difíceis, decisões de colocação de virgulas. Escrever pouco é, também, em incerta medida, como deixar de lavar os dentes. Se, no caso da badalhoquice, ganhamos um sem número de amigas que dão pelo nome de bactérias, no caso da ausência de escrita, amealhamos os erros ortográficos. Se, no primeiro caso, ficamos com os dentes numa miséria, no segundo, os textos tornam-se miseráveis. Noto a ferrugem associada a cada letra, a chiadeira que produz cada palavra, as dificuldades de engrenagem entre as frases e a bosta que resulta de tudo isso. No entanto, tudo isso me faz sentir vivo, porque me faz sentir mortal. Claro que a frase anterior é treta (não sinto nada disso mas achei que era uma frase com power de hip-hop).

 

2011 vai ser um ano difícil para todos menos alguns. Se o país está sem valor, talvez nos reste perscrutar dentro de nós os valores que nos fazem, realmente, bem. Dessa forma, por mais que percamos, ganhamos sempre qualquer coisa e, essa qualquer coisa, é mais do que tudo o resto.

 

Um bom ano para todos os pacientes (pela paciência) que passaram e passam por aqui!

 

 

ejail


sinto-me: a rodar em falso
música: um dueto pimba qualquer

publicado por ejail às 23:23
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 4 de Agosto de 2010
divãgações cronodesmedidas

(imagem retirada da internet)

 

O meu relógio procura imitar um círculo perfeito, andando, sempre, para a frente, mesmo quando já está, outra vez, a voltar para trás. Não regula bem. Percorre um segmento de tempo: a exacta quantidade de tempo correspondente ao intervalo entre o seu nascimento e consequente, inevitável, extinção. Corre, passo a passo, com fé, com confiança, com paciência, com determinação na busca da constância. Quase equânime.

 

Mas o tempo é como uma roda de hamster. É uma prisão e uma arma de destruição maciça que mata com o desgaste da erosão. Não mata o Todo mas mata tudo. Até os ideais, que nada mais são do que modas com outro nome. O tempo passa por tudo e tudo aquilo que é passado pelo tempo é isso mesmo: passado – passado: devorador insaciável de presentes, de presente.

O arco do tempo é, ao que a minha vista alcança, infinito. O seu movimento é perpétuo. A sua obra é perene e num estranho contra-senso inacabada, acabando, contudo, com tudo. Tudo abarca e só ele é eterno. Tudo o mais é seu interno. Não o tocamos. Ele toca-nos e como ele nos toca.

Tudo é barro nas mãos do tempo e aquilo que começa é barro daquilo que acabou e aquilo que acabou é barro daquilo que noutro tempo começou.

 

Mas é para a frente que se faz o caminho... um caminho de barro, embora.

O meu relógio indica... não importa! Que importa o que diz o relógio? Talvez deva começar a ler os tempos e não os relógios. É, talvez, tempo de vender (ou dar) um relógio.

O meu relógio procura imitar um círculo perfeito, mas está longe de ser uma obra perfeita. É apenas um objecto que persegue algo maior e intangível. É preciso mas até que ponto preciso da sua precisão. São horas de perguntar o tempo e não tempo de perguntar as horas!

 

E sinto o tempo passar através dos átomos que compõem a minha carne. Sinto o tempo trespassar os fotões e a matéria negra que compõem a minha alma.

Sinto-me um ponto, infinitamente pequeno, num plano infinitamente grande. Sinto-me uma partícula de tempo e matéria, um instante relativo numa eternidade absoluta.

Não sou daqueles que se sentem grandes num mundo pequeno. Não sou daqueles que se sentem pequenos num mundo grande. Não sou daqueles que se sentem.

Sou daqueles que não sabem o que sentem. Sou daqueles que não sabem as respostas. Sou daqueles que desconhecem as perguntas. Sou daqueles que o tempo vai enterrar no esquecimento.

Sou daqueles que precisa de acreditar em Deus para sentir a segurança que a queda contínua num abismo não pode proporcionar. Sou daqueles que, de forma hipócrita, fala para o céu em busca de uma luz quando o olhar escurece. Sou este execrável. Sou este homem que se consome. Este homem que o tempo há-de consumir.

 


sinto-me: horado
música: Time After Time
tags:

publicado por ejail às 17:02
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 17 de Novembro de 2009
Escutas

Que o ouçam, posso compreender.

 

 

Darem-se ao trabalho de o escutar...

 

...................................................................................................................

 

 Ainda há gente corajosa, abnegada e com espírito de missão.

 

 

 

 

LEGAL !

 

 


sinto-me: Sinto que ninguém me escuta
música: Fado (em loop)

publicado por ejail às 00:37
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Junho de 2009
A Todos Que Passaram Pela Quinta Dimensão

 

As palavras não são sentimentos,
não os traduzem.
Porque, sempre que os tentam traduzir, algo se perde.
E, quando se fala de sentimentos, se algo se perde, tudo se perde.
As palavras não são e não traduzem sentimentos!
Podem, no entanto, toca-los.
Como um piano pode tocar uma melodia
e como uma melodia pode tocar a alma.
Como gotas de chuva podem tocar o rosto
e como um rosto molhado pode inquietar a alma.
Ou...
Como o vento persistente pode tocar um solo
e o solo pode tocar o indivíduo, afastando-o da multidão.
As palavras são construções do homem
e os sentimentos, desconstruções da humanidade.
As palavras são pontos do mapa
e os sentimentos pontuações do terreno.
Se algo é:
as palavras são o que são
e os sentimentos são o que são.
No que me diz respeito: sinto muito, por escrever.
Mas também escrevo por sentir muito.
Se calhar não me diz respeito.
Se calhar não sei, tão-pouco, quem sou.
Afinal, quem somos nós?
Não respondo com palavras.
Pergunto-me com sentimento!

 

ejail.


sinto-me: Agradecido
música: Talvez um solo dos Pink Floyd

publicado por ejail às 01:08
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 8 de Março de 2009
CR-ISE

 

 

 

 

 

 

(Imagem pilhada da internet, recorrendo ao método de PigJacking).

 

 

 

Toda a gente fala da crise. O mesmo é dizer que não há alguém que não fale da crise: a crise financeira, a crise económica, a crise global, a crise de valores... Ora, foi precisamente a partir deste blog, que a última – a crise de valores - se propagou e acabou por contaminar todo o mundo e partes do sistema solar. Tenho, portanto, que assumir a minha quota de responsabilidade pelo que se está a passar e não deixar o Barack Obama travar esta luta sozinho. Tenho mas não a vou assumir. Vou fazer de conta que não é nada comigo e esperar que algum mártir distraído, ou as próximas gerações, arquem com a culpa e/ou as consequencias.

 

Este parágrafo é inteiramente dedicado ao gourmet. O tema de hoje é, como não poderia deixar de ser: A Alimentação Face à Crise. Comece por servir, para entrada, pequenos quadradinhos de tostas com queijo Limiano, de modo a enquadrar o restante da refeição dentro do Orçamento. De seguida sugere-se uma de duas sopas: sopa da pedra ou caldo cinzento. Apesar de o bacalhau ser hoje um alimento dispendioso pode, facilmente e com algum esforço, ser adquirido a prestações ou, se tiver sorte, num brinde do Expresso e, dessa forma, aparecer* no prato dos portugueses. Recomenda-se, para prato principal, Bacalhau com alguns. Para vocês que querem perguntar, mas têm vergonha, a resposta é sim: sim, o bacalhau pode ser pescado nos mares de Chernobyl ( dá boas postas e é uma agradável surpresa para quem gosta de chupar rabos porque, por vezes, o mesmo bacalhau aparece com dois ou três em simultâneo). Para a sobremesa: sonhos ou, as mais acessíveis e cada vez mais corriqueiras, natas do inferno. Termine a refeição servindo um cálice de Três Velhotes - daqueles cujas reformas ainda estão em escudos – e, para quem for apreciador, um charuto de couve-flôr com brócolos e beringela. Os brócolos são apenas para cortar a acidez e o câncer.

 

Voltando ao assunto pré-gourmet: Se, numa remota e longínqua hipótese, eu quisesse tomar medidas de modo a estancar a crise, que poderia, efectivamente, fazer? A resposta é imediata: roubar as reformas (aos reformados, jamais aos políticos) e entrega-las, com toda a devoção e embrulhadas em forma de esmola, ao Banco Espírito Santo.

 

* consultar, por favor, as condições gerais dispostas no website do mágico da máscara.

 

 

 

ps (post-script - não confundir, por favor, com partido socialista): Na iminência de alguém sentir convulsões para comentar este artigo peço, apenas e solenemente, que o faça com orações gramaticais.

 

Atenciosamente,

ejail.


sinto-me: Um Sapo Barbudo
música: Hotel Rwanda - OST

publicado por ejail às 19:10
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 16 de Abril de 2008
Já era tempo de escrever…

Já era tempo de escrever… mas acho que vou esperar pelo acordo ortográfico…


sinto-me: Analfabeto
música: Silêncio

publicado por ejail às 12:09
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2008
Jogadas Mentais

- Ando como que a jogar xadrez com o meu blog.

Não! É mais grave ainda…

- Ando como que a jogar xadrez com a minha vida e tenho, neste estranho jogo de Xadrez mental, um adversário que, a ser, será um Ser que são muitos Seres.

 (Imagem retirada da Internet)

Como um jogador, que move cautelosamente as peças no tabuleiro, eu troco as ideias de lugar na densidade da cabeça. São ideias pesadas, que se esfumam, numa mistura de liga pesarosa e crepitante. São ânsias que procuram saltar para além das barreiras do medo e desejos que lutam para se materializarem num mundo de dúvidas e incerteza. São frustrações que, uma-a-uma, o passar do tempo parece ter calcinado no espírito. São rebeldias que agora são conformismos, fazendo lembrar outros anjos que agora são demónios diluídos nos remorsos. É um espírito quebrado pelas limitações do corpo e da mente.

Será uma estupidez tão grande dizer que me sinto prisioneiro de mim mesmo?

Como o vento que não se vê directamente mas que despenteia os cabelos, o tempo lavra com rudeza as feições nuas do meu rosto. O tempo: essa entidade que se coloca por direito próprio, ou por simples arrogância, acima do banal da tridimensionalidade mundana. O imortal assassinando, com relativa paciência, tudo o que é mortal. Desgastando a vida até ao pó. Mudando-me por fora e alterando-me por dentro. O tempo: conselheiro, agitador, mensageiro que me traz (e me leva) sentimentos e pensamentos. Que me faz, nesta hora, questionar: Como é possível estar vivo e sentir que não vivi? Como é possível sentir que não vivo? Como posso viver sentindo, no íntimo, que não saberei viver?

Talvez a resposta seja, não sei, esperança… Porque a esperança é como a cenoura na ponta do nariz do cavalo, que o faz andar em frente na tentativa vã de lhe deitar o dente. Talvez a resposta venha com o tempo. Há cavalos que conseguem… uns mais cedo, outros mais tarde…

 

Uma boa tarde!

ejail (afectado por uma gripe vírica).


sinto-me: Idiota
música: You've Got A Friend - James Taylor
tags:

publicado por ejail às 11:51
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2008
Não vou estar por aqui mas vou andar por aí!

Costumes, tradições e ritos, seguidos e quebrados de forma ridícula: Emprego, desemprego;

Riqueza, pobreza;

Ladrões que roubam, ladrões que são roubados;

Homens que controlam, desesperados que se descontrolam;

Políticos que ganham, povo que perde;

Promessas que se fazem, promessas que se desfazem;

Polícias que prendem, polícias que são presos;

Médicos que curam, médicos que matam;

Professores que ensinam, professores que assassinam;

Padres que pregam, padres que violam;

Pastores que evangelizam, pastores que engordam;

Fetos que nascem, fetos que morrem;

Almas que se acham, almas que se perdem;

Deus que ajuda, Deus que castiga e se esquece;

Diabo que ama e diabo que depois engana;

Árvores que crescem, árvores que ardem às mãos da inquisição;

Pequeno-almoço, almoço e jantar… e a fome que continua a matar;

SMS, MMS, o contacto que arrefece;

– Merda: isto não tem fim e continua a não fazer muito sentido –

Tempo que sobra, tempo que falta;

Ondas que levam, ondas que trazem;

Cascatas a correr, lagos a apodrecer;

Sapos que se engolem, sapos que se vomitam;

Medo que domina, medo que extermina;

Lápis que escrevem, borrachas que apagam;

Olhos que se cruzam, olhos que não se podem ver;

Sentimentos que se amam, sentimentos que se odeiam;

Altruísmo, egoísmo;

Mãos quentes, mãos frias, mãos de pessoas;

Línguas que ardem, línguas que queimam;

Pénis que entram, pénis que saem;

Lábios presentes, lábios ausentes;

Ataques de coração, ataques ao coração;

Veneno, antídoto;

Vontade de viver, vontade de morrer;

Brain storming, human desert;

Histórias contadas, histórias inacabadas;

Raios partam tudo, raios partam nada.

A vida é uma espécie de morte adiada.

É esta a nossa natureza e na nossa natureza nada se cria, nada se perde, tudo se estraga.

Em suma, se não estou enganado, somos todos ridículos.

 
 
 

Ando com e sem vontade de escrever.

Vai-se lá perceber…

 

“Não vou estar por aqui mas vou andar por aí!” – Santana Lopes.

 

Dúvidas razoáveis…

Atentamente,

ejail.


sinto-me: sei lá...uma coxa de frango?..
música: Atirei o pau ao gato
tags:

publicado por ejail às 14:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 26 de Julho de 2007
A Minha Palavra
Há uns tempos atrás (muitos) escrevi um texto abstracto:
 
A vida assume um sem número de facetas. Pode ser comparada a tudo e nada se compara a ela. Parece, por vezes, um grande dicionário, maior que o mundo e infinitamente grande; maior que o Universo. Nesse dicionário, cheio de palavras e de significados, eu procuro uma só palavra. Existem muitas e são mais que os números para as contar. Umas simples e bonitas, outras formais e complicadas, mansas ou severas, quentes ou frias e indiferentes. Procuro uma só. Nunca a escutei, nem li e nunca, tão-pouco, ouvi falar acerca dela. Não a conheço, mas sei que é a mais deslumbrante desse dicionário. Não vou vender a minha alma a uma outra qualquer palavra. Ela só aceita ser comprada e resgatada, da sua árdua e solitária viagem, pela mais bela junção de letras que o caos do universo conseguiu, de forma divina, construir. Não receies, pois não vou cessar a busca. Afinal sou um sonhador e os sonhadores não sabem quando parar de sonhar.
 
Hoje quero concretizar esse texto:
 
Creio ter encontrado a palavra. A palavra formada pela mais bela junção de letras que o caos do universo conseguiu, de forma divina, construir. A palavra: Ana.
 

sinto-me: Enamorado
música: Qualquer Coisa Celestial com Harpas e Banjos

publicado por ejail às 17:47
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Terça-feira, 17 de Julho de 2007
Bom Demais Para Ser Verdade
Coimbra: cidade de despedidas encantadas. Na sua complexa rede de estradas e estreitas ruelas, circulam um pequeno sem-número de autocarros. Movem-se para os lados, para trás e para diante, sem nunca se afastarem muito de um qualquer ponto de gravidade imaginário. São uma espécie de pêndulos urbanos. São como bestas tecnológicas que, aprisionadas, ora engolem os seres humanos, ora os cospem. Tudo é feito com uma extrema rapidez e frieza mecânicas e, as poucas excepções que ocorrem, são quando as presas, quase sempre amorfas e resignadas, discutem entre si para ver quem vai primeiro.
 
Um desses autocarros tem uma particularidade. Aparentemente é um veículo de transporte de passageiros normal: não muito velho, não muito novo. Tem bancos que foram construídos na tentativa de encontrar um compromisso entre o conforto, a usabilidade e a economia. Guincha e oscila, como muitos outros, nas curvas mais apertadas e não trepida menos quando a estrada é de paralelo. Transporta renegados de meia-idade, de casa para o trabalho e do trabalho para casa. Carrega os velhos, com passes sociais, a quem a sociedade já há muito retirou a esperança e leva os novos para a escola que aguarda para os formatar. Os jovens são inocentes e deixam-se, facilmente, iludir pela esperança e modas passageiras. O autocarro transporta pobres: homens e mulheres, crianças e pedófilos, inocentes, ladrões e assassinos. Ele não escolhe o que lhe dão a comer, apenas come o que lhe é servido. Nele são transportados seres à deriva numa sociedade de castas de falsidade. É um autocarro igual a tantos outros, apenas tem uma singular particularidade que só a mim diz respeito.
Um destes dias, uma qualquer empresa sediada no Porto, vai comprar este autocarro. Alguém o há-de levar para a oficina e dar-lhe um banho de tinta. Alguém o há-de pintar, numa estufa própria, com as cores da nova empresa. Depois vai ser restaurado: o chão, comido pelo arrastar dos passos pesados dos passageiros, condenados com grilhões a vidas efémeras e repetitivas; os assentos encardidos de transpiração mundana; os graffitis com mensagens de alguém que amava e agora, se calhar, até já odeia; o sebo das mãos ainda agarradas aos varões; os fantasmas de Coimbra. Tudo tem de ser limpo e renovado.
 
Um motorista vai ser contratado para conduzir o autocarro. Vai ser colocado um anúncio no jornal e muitos desempregados e desgraçados vão concorrer. O salário não é grande coisa mas, para muitos, vai ser a sua última oportunidade. À medida que várias fazes da selecção vão sendo progressivamente queimadas, o número de candidatos vai diminuindo até que, por fim, um deles será o escolhido. Neste caso em particular não vai haver cunha. O motorista que será escolhido provará ser o melhor. A empresa irá reunir referências junto de antigos empregadores e, todos eles, abonarão a favor do candidato. Vai, posteriormente, iniciar uma acção de formação profissional teórica e prática. Um motorista da casa, mais experiente, vai, depois disso, mostrar-lhe o percurso da carreira que lhe será designada e explicar-lhe as manhas do trânsito local. Tudo tem de ser perfeito. Chega o dia e o autocarro e o motorista estão prontos para saírem à rua.
 
Durante cerca de seis meses e quinze dias tudo parecerá normal. Mas não no dia a seguir. Nesse dia em particular, esse motorista em particular, com esse autocarro em particular, vai sair da garagem e, como de costume, vai encaminhar-se para o respectivo giro. Porém, uma velha furgoneta, em infracção de velocidade excessiva, vai efectuar uma manobra arriscada e colidir com o retrovisor esquerdo do autocarro. A colisão não será suficientemente forte para partir o espelho mas vai chegar para desalinhar o mecanismo de suporte. Na confusão que se seguirá, o infractor vai fugir, não dando tempo ao assustado motorista de registar a matrícula. Este, por sua vez, pegará no telemóvel e ligará para os escritórios da empresa, para o sector das escalas, contando o sucedido. Vão chegar à conclusão que não há nenhum autocarro para efectuar a substituição e, como o retrovisor apenas está ligeiramente desalinhado, o motorista pode seguir viagem. No final do dia, quando o autocarro recolher, os serviços da oficina farão a reparação. O motorista retomará a marcha.
 
Algumas horas depois, o autocarro irá parar, como de costume, numa paragem. As pessoas, como de costume, vão sair e vão entrar, insensíveis à rotina. Sairão e entrarão, como habitualmente, todos os dias úteis - ou todos os dias inúteis. Sairão e entrarão como se, de alguma forma, a humanidade quisesse foder aquele autocarro. O motorista, não vendo qualquer veículo pelo retrovisor desalinhado, dará sinal de mudança de direcção para a esquerda e retomará a marcha. De traz virá um condutor mais apressado e distraído, que não se vai aperceber e, deixando cair o telemóvel, apenas conseguirá pressionar a buzina sem se conseguir desviar e sem conseguir abrandar em tempo útil. Nesse instante, o motorista do autocarro, ouvindo a buzina e apercebendo-se do perigo de colisão iminente, guinará o autocarro, num reflexo irreflectido, para a direita, para cima de uma passadeira. Uma pessoa vai ser colhida…
 
Vejo-me deitado sobre um zebrado. O céu parece cinzento mas, antes da colisão, parecia-me azul. Talvez, o impacto contundente ou a sensação de uma severa fatalidade, tenham afectado os meus olhos e me tenham levado as cores. Apercebo-me que não é só o céu que não tem cores. As pessoas à volta também estão descoloridas. Sinto um arrepio constante e, estranhamente, começo a desaprender a respiração e a sentir uma repentina falta de forças. Sinto a cabeça descair para o lado, sem que tenha poder para a contrariar, e começo a ver imagens, pouco nítidas e antigas, a substituírem as actuais. Sinto os olhos fecharem-se e, apesar disso, cada vez mais, vejo mais imagens. Parecem ser coisas do passado, imagens que já nem me lembrava de ter guardado, imagens de coisas de que não consigo ter a certeza se realmente aconteceram. Tudo parece ter atingido um estranho silêncio sepulcral. É quase espiritual. Mas, nessa falta de sons, uma voz vai-se fazendo ouvir. Uma voz surda que se confunde com o vácuo. Uma voz que, gradualmente, vai ganhando protagonismo face à estática do silencio. Uma voz que soa cada vez mais alto e que, cada vez mais, parece uma gargalhada e um grito irado. Uma voz que diz: “Seres feliz… Era bom demais para ser verdade!”
 
 
Tenho que falar da Ana e não consigo. Porque é uma pessoa única e especial. Alguém que me ensina e ajuda a derrotar o medo de viver. Alguém que surgiu na minha vida de uma forma tão profunda, que parece bom demais para ser verdade. É alguém que me faz olhar para os dois lados, quando atravesso uma estrada. Alguém que não quero perder por que me faz ter vontade de viver, que me faz ter vontade de amar. Alguém que me faz ter um peculiar cuidado com os autocarros. ;-) É alguém que me faz acordar com um sorriso nos lábios, ao invés de uma lágrima no rosto. É alguém que veio trazer ânimo e sentido à minha vida. Alguém que aceita e compreende os meus medos, e me conforta. Alguém que deixa que eu faça o mesmo por ela. É alguém em quem eu começo a confiar e alguém que vai confiando cada vez mais em mim. Uma pessoa bonita que me desperta o desejo e uma pessoa bonita que me desperta a espiritualidade. Não encontro palavras para falar desta mulher. Teriam de ser palavras ainda não inventadas. Palavras virgens, criadas unicamente para serem usadas nesta magnifica pessoa. Estou de beicinho por ela. Quem diria? Logo eu…
 
Ana, eu amo-te!
 
 
Atentamente,
José.

sinto-me: A Despertar

publicado por ejail às 12:25
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

Terça-feira, 3 de Julho de 2007
Correntes Invisíveis

(imagem retirada da internet)

 
Meio da tarde. O tempo está deprimido: cinzento, tal qual o meu casaco. No alto planam algumas gaivotas. Aproveitam correntes de rios de vento que, para mim, são invisíveis mas, para as aves, marujos experientes, são dádivas que não escapam ao instinto. Parecem voar sem destino, sem mapa e sem instrumentos, apenas pelo prazer de navegar os céus.
 
Atentamente,
ejail.

sinto-me: Aéreo

publicado por ejail às 16:32
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 1 de Julho de 2007
Poeta Maluco
Era uma vez um poeta: feiticeiro das palavras e mágico dos sentimentos. Um mau escritor que, um dia, perdeu as rimas. Trazia-as, algures espalhadas dentro dos bolsos, juntas com os trocos.
 
Um poeta não sabe nada, está sempre a aprender. Deita-se com a luz das estrelas e levanta-se com o chilrear dos pássaros. Não tem idade: não é velho, nem é novo. Não é nada. Existe apenas quando quer, quando sente o dever de existir - embora, às vezes, queira existir e não saiba como. É algo que não pode ser: desaparece no meio de si e tenta aparecer no seio dos outros. Mas, isso, é só porque é um solitário. Não é cobarde, mas chora como uma criança e ri como um garoto - embora, ultimamente, não consiga encontrar motivos para sorrir. É um puto das ruas, descalço e de cara suja. Um renegado de alma lavada, de alma incompreendida.
(imagem retirada da internet)
A estrada, sabe-o bem, não foi feita para ser percorrida. Foi construída para ser estudada. Evita caminhar por ruas muito percorridas. O caminho foi calcetado para jogar à bola e os campos para dançarem ao sabor dos caprichos do vento. Uma pedra solta é para ser lançada ao mar, ou ao rio. Não importa para onde, desde que seja lançada para o mais longe possível, desde que seja arremessada, com todas as forças, para o âmago do infinito. A chuva são lágrimas de poetas, irmãos que pereceram nas inúmeras batalhas, e se fundiram no Absoluto. O Sol é, por si só, um magnífico poema. Um poeta compreende o ciclo da árvore: a árvore, que no Verão traz a sombra, é a mesma que no Outono dá os versos. Versos: estrofes secas, outrora viçosas, que tombam na manta morta como folhas gastas pelo uso do tempo. A Primavera é a vida em flor e o Inverno o seu fiel cobertor. O frio e o calor são as suas roupagens: um poeta não é morno - embora possa estar adormecido.
 
De dia, ou de noite, há sempre um poeta acordado e pronto a sonhar.
 
Era uma vez um poeta que, por algum tempo, vai desaparecer. Um sofrível escritor que se vai ausentar dentro de si. Talvez só por algumas horas, ou alguns dias…
 
Atentamente,
ejail.

sinto-me: Bêbado (mesmo, acho eu)
tags:

publicado por ejail às 15:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 30 de Junho de 2007
Metade de Oswaldo Montenegro
Para todos os que têm sede: sede de coragem, sede de ânimo, sede de alegria. Para todos os que têm sede de contacto humano, sede de Deus, sede de amor. A poesia é uma conselheira e uma confidente, sempre presente. É na poesia que, muitas vezes, encontro forças para me retrair. É na poesia que, muitas vezes, encontro forças para dar o próximo passo. É na poesia que, muitas vezes, encontro coragem para suportar a queda. É na poesia que, muitas vezes, encontro coragem para me levantar e forças para caminhar de novo. É na poesia que, muitas vezes, me encontro.
 
Já muita gente o conhece, por certo, mas há poemas que são eternos e podem ser lidos todos os dias. Hoje enriqueço o meu blog com o poema “Metade”, de Oswaldo Montenegro:
 
Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio
 
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.
 
Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
 
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.
 
Que as palavras que falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimento
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo
 
Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
E que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que penso
E a outra metade um vulcão.
 
Que o medo da solidão se afaste
E que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso que eu me lembro ter dado na infância
Porque metade de mim é a lembrança do que fui
E a outra metade não sei
 
Que não seja preciso mais que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço
 
Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é a canção
 
E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.

sinto-me: Dividido

publicado por ejail às 11:01
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Sexta-feira, 29 de Junho de 2007
Coração de Pedra
Continuo sem conseguir falar. Continuo fechado. Talvez, numa espécie de casulo, em metamorfose: ashrayaparavrtti. Escrevi este humilde conto, num dia em que a esperança parecia escassear...
(imagem retirada da internet)
 
Coração de Pedra
 
Agora volto às rimas da melancolia. Os sonhos são como o canto das sereias e eu não me consigo deter. Chamam por mim dia e noite e deixo-me seduzir, acabando, quase sempre, por acordar num poço de lágrimas:
 
– De onde vem esta água salgada? – Pergunto.
– Foste à fonte do amor, encher o coração, mas no regresso quebraste-o e verteste todas as suas lágrimas. – Responde a tristeza.
– Por que não me concedes outro coração mais forte e permites que o volte a encher na mesma fonte? – Replico, quase ansioso.
Mas, de imediato, o mar encapela-se e as sereias irrompem na conversa:
Não! Reúne todos os pedaços, cola-os e volta à fonte, mas a maldição não te abandonará! No regresso, de novo, o partirás.
– Porque me fazem isso? – Pergunto já inconsolável e em desespero.
– Para que não fiques como eu. – Responde-me uma pedra. – Uma pedra não chora, mas também não ri. Não sofre mas também não sente. Junta sempre com paciência e mestria todos os pedaços quebrados do teu coração. Um dia terás força para vencer o canto das sereias e enganar a tristeza. Eu sou uma pedra e as pedras existem há milhares de anos, e sabem, portanto, do que falam.
 
Então penso para mim:
 
“As pedras são fortes e resistem, com bravura, ao passar do tempo. Sempre fui um apreciador das pedras, pois imagino que, tendo elas vivido tantos milhares de anos e presenciado tantos acontecimentos, sejam sábias e excelentes contadoras de histórias. É preciso saber escutá-las. Falam, melhor do que ninguém, nos hiatos do silêncio. Só espero ser homem bastante e ter forças para seguir o conselho da pedra.”
 
E assim se começa a construção… de um coração de pedra.
 
Atentamente,
ejail.

sinto-me: Pedrado...

publicado por ejail às 12:32
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 27 de Junho de 2007
Ănima
(imagem retirada da internet)
Nasci no Porto e, nas minhas veias, corre sangue com granito. Carmesim, escurecido com cinza deslavada: é este o líquido que me sustém o esqueleto de pé. Respiro pesadamente como se, a cada acção de inspirar, correspondesse o acto de erguer uma fraga. É uma falta de ar que advém da poluição dos pensamentos estéreis que, em mim, se esfumam sem nunca se materializarem. É uma respiração comprimida que se aperta contra o peito, com uma veemência e um vigor desproporcionados. Um aperto voraz, contra um peito disforme que oculta um coração maciço de pedra-pomes. Este órgão estranho, monolítico — que um dia foi um pedaço de lava, de magma incandescente e pleno de actividade e de vida — é hoje um velho ajuntamento, disperso e compacto, de cinzas carbonizadas. Tudo em mim, portuense, parece desprovido de vitalidade. Tudo parece disposto num pós-incêndio: cinzento, desordenado e constante. Tudo em mim parece um bando de formas indissociáveis: uma argamassa insípida e de monótona destruição. Tudo, neste instante de melancolia, parece morto… excepto:
 
a Alma.

sinto-me: (in)Animado

publicado por ejail às 16:49
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Segunda-feira, 25 de Junho de 2007
Sinto-me 1 Fantasma
Com uma crescente frequência, dou por mim prostrado numa introspecção leviana. Surge a qualquer hora do dia - e da noite -, quando menos a espero. São indagações profundas e, no entanto, quase sempre fúteis. Nada têm de profícuo. Aparecem, sob a forma de passeios, em passos demorados, pelos labirintos do limbo enevoado que separa o real e a quimera. Percorro-me até às entranhas, numa tentativa vã de responder a questões que me devoram como piranhas. Esta introspecção, que corrompe a pureza do pensamento e provoca a flacidez dos músculos, deixa o corpo e a mente num estado letárgico, quase catatónico. Liberta lágrimas mudas - saídas sabe-se lá de onde - que caem frias, pesadas e barulhentas, como correntes de um estranho cativeiro de solidão perene. É um estado de sítio: em que os pensamentos e os sentimentos se rebelam contra o seu criador. Nesse instante sinto-me, tão-só, um estrangeiro para com os átomos que me compõem: um pária.
(imagem retirada da internet)
Às vezes recebo uns emails que falam de amizade e de amor. São, por norma, escritos com muito sentimento e, nalguns casos, com elegância. No fim, porém, trazem uma espécie de feitiço: se, após o ler, eu não o reenviar a um determinado número de pessoas, vou ser infeliz durante um outro determinado número de anos. Eu já recebi muitos emails desses e, às vezes, leio-os. Mas nunca os reenvio…
 
Quando me sinto magoado, fecho-me. Fecho-me muito. Mas, hoje, apenas hoje, abro uma pequena fresta para poder passar uma só pergunta: quem me leva os meus fantasmas?
 
Atentamente,
José.

sinto-me: Fechado e Muito Deprimido

publicado por ejail às 16:54
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|

Domingo, 24 de Junho de 2007
Não Acredito
não acredito em nada.

sinto-me: Fechado e Descrente

publicado por ejail às 17:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 20 de Junho de 2007
Sinto Absinto
Hoje apetece-me morrer. Mas, tirando isso, estou óptimo. Não é que me apeteça suicidar nem coisa do género. O suicídio, por si só, parece-me ser demasiado abstracto e elanguescente para acalmar tanta dor. Está, portanto, fora de questão e terá de ser algo bem mais contundente. É difícil, no entanto, quantificar a dor que sinto. Mas, a Matemática, é algo de extraordinário e diz que a definição de medir é, nada mais, que comparar. Portanto, para ser possível perceber o quanto é anedótico o suicídio, como analgésico para a agonia que me desmembra, basta dizer que é como tomar um ramo de salsa para aliviar a super-dor da amputação selvática do coração. Bendita Matemática, que é uma luz clarividente que contrasta com a cegueira da humanidade. Mas, apesar da ajuda da Matemática, o problema de fundo persiste: encontrar um processo mais mórbido que o suicídio.
Chego ao fim do dia cansado. Faço um grande esforço, a toda a hora, para me manter vivo. E, depois, chega a noite e as coisas não melhoram. Pouso, pesarosamente, a cabeça estéril sobre a travesseira curada pelo sal das lágrimas e cerro os olhos. Tento adormecer mas, o único estado que consigo atingir, é sentir-me definhar, a morrer. Porém, na manhã seguinte, acabo sempre magoado por mais um despertar. É um ciclo solitário, escuro e asmático. De uma humidade espiritual e fantasmagórica que deforma os ossos. Não são sentimentos de circunstância, há razões para tanta angústia! Genéticas? Também, com certeza. Mas não só:
Nunca amei tanto alguém, como aquela mulher. E nunca alguém me fez tão mal como ela. Quando menos espero, eis que a crueldade gélida do seu machado me dilacera, uma vez mais, o peito flácido. Nunca mais vou conseguir confiar e nunca mais vou conseguir amar alguém. Nunca mais! Amputaram-me o coração e o que bate no lado esquerdo da cavidade torácica é apenas medo. Medo do mais puro, do mais vergonhoso, do mais cobarde. Um medo constante de voltar a sofrer uma dor que não suporto. Não consigo compreender o porquê de tanto mal, para uma pessoa que lhe fez tão bem? Hoje precisava dos braços emprestados de alguém. Precisava de uma mulher que me sussurrasse ao ouvido que não sou lixo, pois é como me sinto. Mas isso já são devaneios e é importante manter os pés na terra, e não perder a noção da realidade. Ainda assim, nem tudo está perdido porque, pelo menos, em todo este processo, consegui descobrir algo muito pior que o suicídio: o amor.
(imagem retirada da internet)
Atentamente,
José.

sinto-me: Moribundo

publicado por ejail às 23:35
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Terça-feira, 19 de Junho de 2007
Talvez a questão não seja “se eu acredito em Deus?”, mas “se Deus acredita em mim?”
E se hoje eu acreditar em Deus? E se Deus chegasse à minha beira e, ao contrário do que é habitual, fosse Ele a pedir-me ajuda? E se Deus dissesse que se sente só, está deprimido e inconsolável? Se me dissesse que não consegue fazer nada de jeito? Se dissesse que tudo o que criou está destruído e não tem conserto? Se, em lágrimas, Deus me suplicasse por ajuda? Se dissesse que só queria morrer mas não pode, porque a sua condição de imortal não Lho permite?
(imagem retirada da internet)
O que diria eu a Deus? Será que eu O quereria ajudar?..
 
Atentamente,
ejail.

sinto-me: Deprimido

publicado por ejail às 23:45
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Segunda-feira, 18 de Junho de 2007
Sentido
É como um mealheiro de sentimentos e de estados de espírito. Onde deposito as minhas riquezas e regurgito as minhas pobrezas. Este é um canto onde se ri e onde se chora. Este é o lugar onde procuro mapear os labirintos da alma e descobrir onde me levam as emoções que se rebelam à razão. É um ponto de encontro para pensamentos dispersos. É uma fronteira onde os meus muitos fantasmas se corporizam.
 
Os puristas dizem que a amizade e o amor, quando verdadeiros, são imortais. Mas nós, que não somos deuses como eles, sabemos que não é bem assim. A amizade e o amor são como organismos vivos. Se não os alimentarmos, se não lhes saciarmos a sede, se não os estimarmos, eles acabarão por adoecer e, por fim, morrer. É como uma flor: por mais graciosa que seja, precisa de cuidados para manter a sua jovialidade. Tudo isto para dizer que já perdi amigos e amores. Algumas vezes por minha culpa, outras vezes nem por isso… mas sempre com muita mágoa. Mas que amizade ou que amor são esses, quando uma pessoa segue para a esquerda e a outra para a direita? Que amizade ou que amor são esses, quando uma pessoa se limita a seguir os passos da outra? A amizade e o amor só fazem sentido quando as pessoas caminham no sentido da convergência. Só assim florescem e se mantêm joviais.
 
É como um mealheiro de sentimentos e de estados de espírito. Onde deposito as minhas riquezas e regurgito as minhas pobrezas. Este é um canto onde se ri e onde se chora. Este é o lugar onde procuro mapear os labirintos da alma e descobrir onde me levam as emoções que se rebelam à razão. É um ponto de encontro para pensamentos dispersos. É uma fronteira onde os meus muitos fantasmas se corporizam.
 
Atentamente,
ejail.

sinto-me: Pensativo
tags:

publicado por ejail às 11:38
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 16 de Junho de 2007
Desnudado
O humor é uma manifestação legítima de inteligência. Porém o meu pseudo-humor não é, propriamente, engraçado. Se não faz rir não é inteligente. É um humor corrosivo e lúgubre, e não apresenta traços de originalidade relevantes. É escrito numa linguagem corrente e não revela significativa riqueza literária. É uma coisa sem vida e vazia.
 
Também os ensaios e as incursões que pratico pelos caminhos do pensamento aplicado, em que procuro desconstruir pequenos enigmas ou paradigmas do quotidiano, revelam-se, na maioria das vezes, inconclusivos. São devaneios de uma mente inquieta mas nem sempre lúcida. São desvarios de alguém que apenas procura uma explicação para as suas mágoas. E, desses exercícios, resultam composições pobres e pesadamente depressivas.
 
Eu sou, em suma, uma pessoa triste e, isolado, sinto-me um homem das cavernas. Platão não passou, em definitivo, por aqui para me libertar. Habito a escuridão e desengane-se quem pensa que este é um blog humorístico. É, antes, uma lápide em que vou carpindo hieróglifos desconexos para colocar sobre o meu túmulo. Sinto-me só. É um grito… Sinto-me terrivelmente só! Falido a todos os níveis… Talvez por tudo isto e por tudo aquilo que não disse, não me levar a sério, parece ser a expressão suprema da minha intelectualidade. A verdade é tão simples e tão óbvia que até mete dó.
 
Atentamente,
José.

sinto-me: Deprimido

publicado por ejail às 22:52
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 14 de Junho de 2007
“Achismos”
Ando a escrever demais. A ter opinião para tudo quando, na verdade, nada sei. Às vezes fico com a sensação de que tudo é vaidade. Tudo é uma questão de egos e de medos. Mas, no meu caso, é mais medo do que ego porque não há nada em mim de que me orgulhe. Se bem que, em certa medida, também o ego se esconde atrás de um medo: o medo de desaparecer, de ver a individualidade canibalizada pelo colectivo social. Há, no ser humano, uma vontade de integração e uma rebeldia que convivem lado a lado. Queremos pertencer a um grupo e, ao mesmo tempo, sermos únicos em relação aos elementos que o constituem. Já dizia José Régio: “(...)Não sei por onde vou, Não sei para onde vou - Sei que não vou por aí!”. Mas o meu medo não é o de desaparecer. É, talvez, o de ver as pessoas de quem gosto desaparecerem. De ver pessoas, de quem gosto, deixarem de gostar de mim. É o medo de ver chegar a solidão. Contudo confesso que, na equação, a incógnita que vai ganhando mais peso é a pergunta: será que ainda vale a pena sentir este medo?
 
Hoje deixei-me passear por um ou outro blog e li o que já sabia, o que todos sabem: há pessoas que alimentam o ego à custa do sofrimento que infligem a outras. Eu já senti na pele e não admito que tentem sequer fazer-me o mesmo. Esta é uma das razões que faz com que não consiga confiar em ninguém… Mórbido não é alimentar o nosso ego com pedaços de carne do coração de um outro ser humano. Mórbido é sentir prazer no acto. Mas este post é para ser ignorado, pois é como digo: ando a escrever demais e nada sei…
(imagem retirada da internet)
Atentamente,
ejail.

sinto-me: Deprimido

publicado por ejail às 11:39
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 12 de Junho de 2007
Curtas-metragens da Quinta Dimensão - Recluso
Há uma eternidade que os dias aqui na prisão me parecem todos iguais. Os guardas continuam os mesmos, com cara de poucos amigos. Parecem seres de outro mundo, desprovidos de sentimentos, desprovidos seja do que for. Dizem que ao sexto dia Deus criou o homem e do homem criou a mulher, mas algures entre o 665º e 667º dias o diabo criou os guardas. Não consigo imaginar os guardas como membros da sociedade, como pessoas com família. Parecem-me, simplesmente, personagens sem alma. Ontem só nos deram trinta minutos de pátio!
(imagem retirada da internet)
Os colegas são de confiança… Confiava tanto neles, como confiaria o meu último naco de carne a um cão faminto. Já não há responsabilidade solidária. Hoje é cada um por si e pronto.
 
Quanto à comida, se é que assim se pode chamar, é sempre a mesma. É certo que num dia é peixe, no outro é carne, é frito, ou cozido, mas na prisão parece existir uma fórmula secreta que transforma qualquer sabor num sabor característico e exclusivo: um aroma denso e pastoso a cárcere.
 
Dizem que esta prisão parece um inferno, mas aqui há esperança. Não muita, é certo, e maldita… Um dia, talvez um dia, eu consiga fugir daqui para fora e deixar todo este passado preso ao limbo do esquecimento.
 
Atentamente,
ejail.

sinto-me: Idiota

publicado por ejail às 15:27
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Quinta-feira, 7 de Junho de 2007
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor
Se o nojento do Cupido me volta a acertar com uma flecha, parto-lhe os cornos! Eu só quero estar sossegado no meu canto. Estou cheio destas guerras de corações. Estou cheio de alternar (semi-nu, num barão) entre a euforia e a depressão. Nunca mais me vão fazer ciúmes. O amor não dá a outra face, o amor é egoísta. Talvez, por eu não ser uma pessoa egoísta, o amor não queira nada comigo. Mas, agora, sou eu que não quero nada com ele. É um sentimento sobrevalorizado.
(imagem retirada da internet)
Também não quero ter esperança. A esperança é um sentimento que associo facilmente com uma força da física: o atrito. Só serve para empatar, para emperrar e atrasar. Quem tem esperança fica á espera, não segue em frente. Depois, é um sentimento manhoso: fica semi-escondido, à espreita de uma fraqueza do hospedeiro. A pessoa pensa que está desesperada mas, intimamente, ainda acredita de alguma forma que, à última da hora, pode surgir um milagre. Matar a esperança é mais difícil que deixar a heroína. É algo que nos atravessa os genes. Até os suicidas, em última análise, têm esperança: esperam que o seu gesto chame a atenção de quem nãos lhes deu bola; esperam que alguém repare neles; esperam acabar com o sofrimento; esperam sempre qualquer coisa, seja ela qual for… Devia haver um antibiótico que combatesse esta pandemia geral de esperança, ou uma vacina para inocular as criancinhas inocentes que não sabem o que as espera.
 
Este blog está a tornar-se aborrecido. Por que é que alguém o há-de visitar? Vou tentar, num futuro próximo, incluir alguns temas sobre sexo e erotismo. Hoje em dia, um produto, seja ele qual for, se não estiver associado a estas questões, está condenado ao fracasso. Até a religião precisa dos seus escândalos sexuais para subsistir. Os líderes religiosos são “pessoas” inteligentes e já se tinham apercebido disso. Vou ver se começo a colocar aqui algumas fotografias de mulheres semi-nuas em posições provocadoras. Se eu próprio estou a perder a vontade de vir ao blog, por que é que outras pessoas quererão cá vir? Por que é que há pessoas que se dão ao trabalho de ler estas porcarias que escrevo, quando me sinto – e isto é com toda a honestidade – o maior fracassado do Multiverso?
 
Atentamente,
ejail.

sinto-me: Pensativo e Confuso

publicado por ejail às 16:13
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 5 de Junho de 2007
(in)Felicidade(out)...
Eis como vejo a felicidade: como o Euromilhões. Só sai aos outros. A felicidade é, para mim como para muitas outras pessoas, uma utopia, um conceito do ser humano. Só que para mim é mesmo, não é algo que digo apenas da boca para fora. Para se aspirar a candidato à felicidade são precisas, na minha opinião, 4 coisas: genética, know-how, uma equipa competente e sorte. Resumidamente:
 
Genética – Há pessoas que nascem com uma maior predisposição para resistir às adversidades e manterem o equilíbrio mental e emocional. Da mesma forma que, em termos físicos há pessoas mais atléticas e saudáveis, o mesmo se aplica à componente psicológica.
 
Know-how – A educação que se teve, as filosofias assimiladas, a inteligência social e emocional. Todos estes factores se podem conjugar para que o bem-estar do indivíduo - enquanto ser isolado ou ser social - possa ser alcançado.
 
Equipa Competente – O que quero dizer com equipa competente é: a família, os amigos e os colegas. Se as pessoas que gravitam ao nosso redor são, regra geral, positivas ou negativas. Este ponto está, de certa forma, intimamente ligado com o know-how e a sorte.
 
Sorte – Ainda que de alguma forma, contra todas as probabilidades, conseguisse ganhar o Euromilhões, isso não seria, nem de perto, sinónimo de felicidade. E, só para que conste, é muito difícil ganhar o Euromilhões. Por mais fortes que sejamos, por mais competência que tenhamos e por melhores que sejam as pessoas que nos rodeiam, se não houver uma pitada de sorte a fluir por esses 3 factores… Diz-se que a sorte dá trabalho mas, da mesma forma, a falta de sorte dá “desemprego”…
 
Há, no entanto, pessoas que conseguem ser razoavelmente felizes sem que estas quatro condições se realizem em simultâneo. Todas as regras têm excepções e, para além do mais, estas regras são mero fruto da minha humilde opinião. Isto não é, propriamente, um documento oficial.
 
Eu não tenho tido a sorte de encontrar as pessoas certas e também não me sinto um grande primor da genética. O know-how não basta e, a cada dia que passa, tenho a sensação de saber menos. Sinto-me infeliz, estou cansado e estou cansado de estar cansado. Mas hoje tomei uma decisão: vou deixar de perseguir a felicidade. Vou deixar de a procurar. Não quero saber de mais nada. Estou cheio! Podem dizer que é cobardia, letargia, estupidez, conformismo, podem dizer o que quiserem. Quero lá saber! Só eu sei porquê.
 
A felicidade é um sonho
e, se é um sonho, então estou a dormir.
A desgraça é um pesadelo
e, se é um pesadelo, então estou a dormir.
Mas a felicidade não parece real
e a desgraça é demasiado real.
 
Nesta insónia de volver e revolver,
neste abrir e fechar de olhos sem ver,
neste cansado modo de escrever,
fica o inconformismo conformado,
o aforismo bem vincado:
 
Da desgraça não consigo acordar,
da felicidade não evito o despertar.
 
Atentamente,
José.

sinto-me: Chato

publicado por ejail às 22:42
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Merda
Merda.
 
Merda, ponto final, parágrafo. É uma boa maneira de começar um texto. De começar e de acabar. Aliás, nos dias que correm, não parece haver maneira melhor. Mas merda para quê, ou porquê? Tem que haver uma razão para tudo? Merda porque sim e porque há coisas em mim que não consigo ultrapassar.
 
Quando leio a porra do último post que aqui coloquei, dá-me vómitos. Não sei o que me tornou tão sentimental ao ponto de escrever o que escrevi. Aquilo é muito triste porque não tem nada de macho. E as coisas de macho, acho eu, deviam ser como o sangue: fluir naturalmente pelo organismo, sem que precisasse de me preocupar com os valores diários da gravidade. Talvez a Testosterona se esteja a acabar. Depois não será só a moral que não vou conseguir levantar… mas adiante…
(imagem retirada da internet)
Sou demasiado meigo. Demasiado compreensivo, demasiado empático, demasiado… enfim… um autêntico papa-hóstias. Tenho uma preocupação muito grande em ser educado, gentil, amigo, fiel, etc. A porra do “etc.” tem muitas coisas que me dão vómitos. Acabo por ser o bonzinho da tele-realidade e, ser bonzinho, não tem nada de macho. Ninguém enriquece a ser bonzinho e as mulheres de hoje querem ser comidas pelo lobo mau. Veja-se, por exemplo, a avozinha do Capuchinho Vermelho… Estava de cama com reumatismo, pois… Portanto esta coisa de ser bonzinho acaba por ser muito mau.
 
Há uns dias, ligou-me… para tomar um café, disse ela. Depois de me ter destruído por completo… e eu, porque ser bonzinho implica não conseguir dizer não, acabei por aceitar. Queria ter dito que não, mas não consegui de todo… Como é que ainda consigo gostar dela? E até quando? Talvez ela tenha que me tentar destruir com uma bomba atómica... talvez as radiações me mutassem num lobo mau. Quem sabe? Eu tardo, talvez, em aprender e, qualquer dia, deixo tudo para trás e não quero saber de mais nada. Parto para longe de tudo e de todos... Estas coisas... estas coisas acabam por mexer comigo e fazem com que me sinta uma merda!
 
Atentamente,
“ejailzito” de merda.

sinto-me: Furioso Comigo Mesmo

publicado por ejail às 15:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28
29
30


posts recentes

democrAZIA

Cocó

Poema Invisível

Sombra Lunar

Bom Ano!

divãgações cronodesmedida...

Escutas

A Todos Que Passaram Pela...

CR-ISE

Já era tempo de escrever…

arquivos

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Maio 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Novembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

tags

reflexão(36)

desabafo(21)

humor(19)

poesia(18)

nostalgia(11)

pessoas(10)

contos(3)

excertos(3)

gastronomia(2)

solidariedade(1)

todas as tags

Conta ... dor
Fazer olhinhos
Raríssimas

Este blog apoia a
Associação Nacional das
Deficiências Mentais e Raras
subscrever feeds