Sábado, 30 de Junho de 2007
Metade de Oswaldo Montenegro
Para todos os que têm sede: sede de coragem, sede de ânimo, sede de alegria. Para todos os que têm sede de contacto humano, sede de Deus, sede de amor. A poesia é uma conselheira e uma confidente, sempre presente. É na poesia que, muitas vezes, encontro forças para me retrair. É na poesia que, muitas vezes, encontro forças para dar o próximo passo. É na poesia que, muitas vezes, encontro coragem para suportar a queda. É na poesia que, muitas vezes, encontro coragem para me levantar e forças para caminhar de novo. É na poesia que, muitas vezes, me encontro.
 
Já muita gente o conhece, por certo, mas há poemas que são eternos e podem ser lidos todos os dias. Hoje enriqueço o meu blog com o poema “Metade”, de Oswaldo Montenegro:
 
Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio
 
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.
 
Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
 
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.
 
Que as palavras que falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimento
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo
 
Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
E que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que penso
E a outra metade um vulcão.
 
Que o medo da solidão se afaste
E que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso que eu me lembro ter dado na infância
Porque metade de mim é a lembrança do que fui
E a outra metade não sei
 
Que não seja preciso mais que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço
 
Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é a canção
 
E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.

sinto-me: Dividido

publicado por ejail às 11:01
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Sábado, 9 de Junho de 2007
Boa Vontade
Queria esclarecer um ponto: eu não sou um seguidor do diabo. Apesar da fotografia horripilante do perfil, não faço bruxarias, não espeto agulhas, nem sacrifico galinhas virgens pretas. Aliás, eu gostava que, neste momento, todos os leitores do meu blog dessem as mãos e fechassem os olhos, e me sentissem… me sentissem como um não seguidor do diabo. Não gosto desse palhaço e, acreditem ou não, eu sou Cristão. Pronto! Já podem abrir os olhos, desentrelaçar as mãos e podem, todos, repetir comigo: “Aleluia”! Aleluia irmãos…
 
Esclarecida que está a questão sobre a minha filiação político-partidária e, como prova da minha boa vontade, hoje apetece-me honrar o amor. Claro que isto é sol de pouca dura. Amanhã, se cá vier escrever, vou voltar a dizer mal de tudo. Esta homenagem ao amor é apenas um breve momento de fraqueza na minha inabalável e inexpugnável personalidade. Fica, antes que me arrependa, a tradução (não oficial) de um dos mais belos poemas alguma vez escritos. É uma homenagem a Helena de Tróia por um dos meus poetas favoritos, e o meu blog não seria nada se não fizesse esta singela homenagem a Edgar Allan Poe:
(imagem retirada da internet)
To Helen - Edgar Allan Poe
Helen, a tua beleza é para mim
Como aquelas barcas de Nicéia de outrora,
Que, suavemente, sobre um perfumado mar,
O exausto, extenuado viandante trazia
Até à sua terra natal.
 
Sobre mares encapelados vogava sem descanso,
O teu cabelo de jacinto, o teu rosto clássico,
O teu porte de Náiade trouxe-me de volta a casa
Para a gloria que foi a Grécia
E a grandeza que foi Roma.
 
Olha! No brilhante nicho da janela
Semelhante a uma estátua, eu te vejo ali!
O candelabro de ágata em tua mão,
Ah! Psiquê das regiões que
São Terra Sagrada!

sinto-me: Sinto Muitas Coisas

publicado por ejail às 22:07
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 25 de Maio de 2007
Pouca gente sabe...
Pouca gente sabe porquê, mas este é um dos meus poemas preferidos de António Gedeão:
 
"Poema do Gato
 
Quem há-de abrir a porta ao gato
quando eu morrer?
Sempre que pode
foge prà rua,
cheira o passeio
e volta pra trás,
mas ao defrontar-se com a porta fechada
(pobre do gato!)
mia com raiva
desesperada.
Deixo-o sofrer
que o sofrimento tem sua paga,
e ele bem sabe.
Quando abro a porta corre pra mim
como acorre a mulher aos braços do amante.
Pego-lhe ao colo e acaricio-o
num gesto lento,
vagarosamente,
do alto da cabeça até ao fim da cauda.
Ele olha-me e sorri, com os bigodes eróticos,
olhos semicerrados, em êxtase,
ronronando.
Repito a festa.
vagarosamente,
do alto da cabeça até ao fim da cauda.
Ele aperta as maxilas,
cerra os olhos,
abre as narinas,
e rosna,
rosna, deliquescente,
abraça-me
E adormece.
Eu não tenho gato, mas se o tivesse
quem lhe abriria a porta quando eu morresse?"
(imagem retirada da internet)
António Gedeão.

sinto-me: Um Gato
tags:

publicado por ejail às 14:40
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28
29
30


posts recentes

Metade de Oswaldo Montene...

Boa Vontade

Pouca gente sabe...

arquivos

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Maio 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Novembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

tags

reflexão(36)

desabafo(21)

humor(19)

poesia(18)

nostalgia(11)

pessoas(10)

contos(3)

excertos(3)

gastronomia(2)

solidariedade(1)

todas as tags

Fazer olhinhos
Raríssimas

Este blog apoia a
Associação Nacional das
Deficiências Mentais e Raras
subscrever feeds