Terça-feira, 2 de Outubro de 2007
Há Caldo Verde e Bifanas

Não há nada Caldo Verde nem Bifanas! Apeteceu-me colocar “Há Caldo Verde e Bifanas” no título mas o post não tem nada a ver com isso. Já sei que é defraudar as expectativas mas… pensando bem: alguém, ao entrar neste blog, tinha expectativas?..

 

Geralmente só consigo escrever quando estão reunidas três condições essenciais: tenho de estar deprimido, não posso estar demasiado cansado e a televisão não pode estar a passar os comentários do Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Houve aí uns dias em que, de facto, eu não andei deprimido. Até queria escrever e fazia de tudo para me deprimir mas, confesso, os meus esforços goraram-se num rotundo falhanço. Alturas houve em que estive quase a atingir um estado Zen de depressão mas, simplesmente, não me conseguia concentrar o suficiente e perdia a pujança antes de consumar o acto. Lamentável e vergonhoso! Até nisso me sinto inútil... Mas palpita-me que, finalmente, terei conseguido.

 

Sinto-me abatido e hoje, particularmente, triste. Sinto uma enorme vontade de metralhar o vazio da folha com o negro das letras e, ao mesmo tempo, deparo-me com um grande cansaço, em forma de bloqueio, que me causa impotência intelectual (talvez não apenas intelectual, mas isso não é tema para aqui e sim assunto para discutir em local próprio). Não sei como traduzir o que me vai na alma. Não sei como explicar, não é fácil. Sinto-me quase como um espirro aprisionado, como um soluço engasgado. É algo, talvez, como aquelas diarreias intestinais que precisam de explodir mas que se deparam com uma irritante e inesperada prisão de ventre. É essa, sem dúvida, a imagem mais apropriada para definir o meu caótico estado de espírito.

 

Mas a verdade é que me sinto deprimido. A verdade é que me sinto cansado. A verdade é que hoje me sinto tão ausente que, se calhar, até podia ouvir o Marcelo Rebelo de Sousa, discursar durante nove horas, com total apatia e indiferença (ou, vendo bem as coisas e pensando melhor, talvez não!). Há certas coisas que não nos matam mas deitam-nos ao chão. Há certas coisas que magoam. Mas eu não me deixo ir abaixo e há, de facto, certas coisas que magoam só que, da mesma forma que magoam, também saram. Da mesma forma que nós caímos também nos levantamos. É só uma questão de tempo. O tempo é, em última análise, como um xamã: um bom conselheiro e um melhor curandeiro. É bem verdade que hoje me sinto muito abatido mas, amanhã, não sei como me vou sentir (apesar de ter fortes suspeitas). Tenho objectivos a atingir, sonhos a realizar e ambições a materializar. Finalmente sei para onde quero ir. Finalmente sinto que, apesar das dificuldades e dos espinhos, trilho o caminho certo. Há que ser (moderadamente) optimista!

 

Peço desculpa a todos os meus (poucos mas bons) leitores pela minha ausência prolongada. Quero que saibam que, neste intervalo de tempo, não deixei de espreitar os vossos excelentes blogs. Por fim, agradeço todos os simpáticos comentários que me deixaram. Não vos mereço e vocês não merecem o fardo de me aturarem.

 

Atentamente,

ejail.


sinto-me: A Precisar De Um Café
música: Silencio

publicado por ejail às 17:55
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De Infiel a 2 de Outubro de 2007 às 23:34
De verdade nem gosto de caldo verde e como sou alergica a carne de porco... não como bifanas por isso me agrada que aqui não encontre nem uma coisa nem outra
Fico feliz por saber que estás de volta mas, infeliz por só agora saber que isso quer dizer que regressaste a um estado depressivo.... mas da-me a garantia que também sais desse estado !!!

Um abraço meu querido


De ejail a 13 de Outubro de 2007 às 11:55
Olá Infiel.

É, para mim, um enorme prazer voltar a receber um comentário teu. Tenho, de facto, dedicado menos tempo à blogosfera mas não deixei de acompanhar, com relativa regularidade, o teu blog. O facto de eu ter encontrado uma pessoa muito especial tem feito com que tenha menos tempo para dedicar à escrita. A escrita, com certeza, agradece… :-P

Por vezes a vida não é fácil e, de quando em vez, venho até aqui descarregar um pouco. Umas vezes em forma de humor, outras vezes em forma de Xanax. A verdade é que gosto de preservar este canto e saber que ele está cá sempre que preciso dele.

Por fim quero dizer-te que, apesar das lutas, me sinto bem. Sinto-me um homem de sorte por ter encontrado uma pessoa tão extraordinária como a Ana. É bom amar e ser correspondido. É bom preocuparmo-nos com uma pessoa que se preocupa connosco. É bom sentir este amor e esta cumplicidade. Venham as lutas que nós estamos cá para as vencer… ;-)

Desejo-te tudo de bom, Infiel. A gente “vê-se” por cá…

Um abraço,
José.


De Infiel a 13 de Outubro de 2007 às 22:46
Tenho um sorriso de orelha a orelha

Tou muito feliz por ti, e tambem por mim porque mesmo lendo os teus post escuros eu vi a tua luz, e soube que és um Guerreiro!!!
E se és um Guerreiro com a sua Guerreira ainda me sinto melhor mas... não me enganes!

Este é o teu "caldo" juntas-lhe os ingredientes da tua vontade, comentarei, se me permitires, sempre que sentir que as minhas palavras poderão ter valor para ti

Um abraço com muita luz


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28
29
30


posts recentes

democrAZIA

Cocó

Falta ( não é futebol ).

Poema Invisível

Sombra Lunar

A Procura de Um Sentido

Bom Ano!

O Martemático

divãgações cronodesmedida...

Escutas

arquivos

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Maio 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Novembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

tags

reflexão(36)

desabafo(21)

humor(19)

poesia(18)

nostalgia(11)

pessoas(10)

contos(3)

excertos(3)

gastronomia(2)

solidariedade(1)

todas as tags

Fazer olhinhos
Raríssimas

Este blog apoia a
Associação Nacional das
Deficiências Mentais e Raras
subscrever feeds