Quarta-feira, 27 de Junho de 2007
Ănima
(imagem retirada da internet)
Nasci no Porto e, nas minhas veias, corre sangue com granito. Carmesim, escurecido com cinza deslavada: é este o líquido que me sustém o esqueleto de pé. Respiro pesadamente como se, a cada acção de inspirar, correspondesse o acto de erguer uma fraga. É uma falta de ar que advém da poluição dos pensamentos estéreis que, em mim, se esfumam sem nunca se materializarem. É uma respiração comprimida que se aperta contra o peito, com uma veemência e um vigor desproporcionados. Um aperto voraz, contra um peito disforme que oculta um coração maciço de pedra-pomes. Este órgão estranho, monolítico — que um dia foi um pedaço de lava, de magma incandescente e pleno de actividade e de vida — é hoje um velho ajuntamento, disperso e compacto, de cinzas carbonizadas. Tudo em mim, portuense, parece desprovido de vitalidade. Tudo parece disposto num pós-incêndio: cinzento, desordenado e constante. Tudo em mim parece um bando de formas indissociáveis: uma argamassa insípida e de monótona destruição. Tudo, neste instante de melancolia, parece morto… excepto:
 
a Alma.

sinto-me: (in)Animado

publicado por ejail às 16:49
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De Maaf a 27 de Junho de 2007 às 17:14
Porquê tanta tristeza???
Há uns anos atras só se viam as mulheres nestes estados, mas agora parece que os homens ganharam coragem para admitirem que tambem se sentem sos e tristes...

Alegra-te. Beijos


De ejail a 27 de Junho de 2007 às 19:09
maaf... eu não tenho emenda...

Antes de mais, permite que limpe a minha honra: eu sou um macho. Bem... não sou um daqueles machos que transpiram Testosterona por todos os poros mas, ainda assim, acho que sou um macho. Claro que sou, também, um cavalheiro (ou procuro ser). A minha sensibilidade fica por aí... ;-)

Após este breve esclarecimento, quero dizer-te que o propósito deste post não era falar de tristeza mas, antes, de renascimento. Salientar que, por maior que sejam a dor e a tristeza, temos sempre, dentro de nós, uma acendalha: uma alma que não morre.

Por fim, quero agradecer o teu comentário, a força e os beijos que me deixaste.

Um abraço grande e... (por que li o teu último post) um bom descanso...


De Maaf a 28 de Junho de 2007 às 09:39
Obrigado... Beijos.


De rita a 27 de Junho de 2007 às 23:33
Fico feliz por ti...é exactamente assim que quero e gosto que estejas :sinto-me: Animado aem o (in)
Um beijinho pelas palvras doces que me deixas, só quer dizer que tú és alguem especial e que merece o melhor do mundo.
Dorme bem e que amanhã o sol ainda brilhe mais nesse coraçãozito magoado.


De ejail a 28 de Junho de 2007 às 10:12
É bom começar o dia, lendo palavras tão simpáticas como as que aqui me deixaste. Para além de serem palavras agradáveis por si só, ganham outro valor por serem ditas por ti...

Muito obrigado, talvez-um-dia.
Desejo-te um muito bom dia!


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28
29
30


posts recentes

democrAZIA

Cocó

Falta ( não é futebol ).

Poema Invisível

Sombra Lunar

A Procura de Um Sentido

Bom Ano!

O Martemático

divãgações cronodesmedida...

Escutas

arquivos

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Maio 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Novembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

tags

reflexão(36)

desabafo(21)

humor(19)

poesia(18)

nostalgia(11)

pessoas(10)

contos(3)

excertos(3)

gastronomia(2)

solidariedade(1)

todas as tags

Fazer olhinhos
Raríssimas

Este blog apoia a
Associação Nacional das
Deficiências Mentais e Raras
subscrever feeds